Pessoas que inspiram | Guida Design Eventos

Uma partilha
Conhecemo-nos nas rotinas por conta de outro e nos meandros da Comunicação. Dum lado estava ela a promover eventos culturais para uma importante marca internacional. Do outro estava eu, jornalista e editora de cultura. Conheci-a enquanto Lúcia, mas foi no papel de GUIDA que os nossos caminhos se cruzaram e assumiram novos sentidos e novas realidades. Lembro-me que quando o Reservatório de Sensações abandonou a sua existência jornalística e passou a degustador de sensações, foi ela a primeira acreditar no potêncial do meu cantinho virtual e do que saía da minha cozinha. Lembro-me que foi ela a primeira a desafiar-me para expor publicamente as minhas novas façanhas. Mais recentemente foi também a GUIDA que deu o toque especial ao meu enlace mágico. Existem pessoas que se acomodam aos pequenos passos que as rotinas proporcionam, e depois existem as pessoas que rasgam zonas de conforto e obrigam o mundo a sonhar. E desenganem-se, se pensam que a GUIDA é apenas uma event planner. Se tivesse que a definir diria que é uma “promotora de coisas bonitas”. E vamos concordar numa coisa, o mundo precisa de cada vez mais de coisas bonitas, com estrutura, contexto, coração, sonhos e inspiração. Por isso, deixem-se inspirar.





Como e quando surgiu a GUIDA Design de Eventos?
A GUIDA surgiu de uma insónia... a sério! Foi em 2012, depois de ter encontrado por acaso um blog de casamentos brasileiro. Naquele blog, percebi que os casamentos juntavam todas as valências que tinha adquirido ao longo da vida, a produção de eventos, as artes e crafts, o gosto pela imagem fotografada e vídeo, o design floral, e o Marketing. Tinha 30 anos, estava fazer programação cultural e marketing há oito anos e apetecia-me algo que me satisfizesse mais. Depois de experimentar os casamentos das amigas vieram as amigas das amigas, até ao cliente anónimo.

Porque decidiste na casa dos trinta mudar de carreira e dar um novo rumo à tua vida?
Pode-se chamar crise dos 30, mas no fundo sei que só as circunstancias o permitiram. Tinha companheiro e relação estável, tinha um emprego que me dava margem de investimento, tinha amigas com interesses comuns e que se revelaram a ajuda essencial. E tive um choque emocional que foi uma doença de um familiar direto que me fez questionar tudo, e encontrar esta resposta: enquanto cá andamos vamos fazer o possível para sermos felizes.




Foi fácil para as pessoas à tua volta assimilarem esta tua vontade de mudar?
Não. As pessoas que mais gostam de mim, por proteção, desconfiaram, sugeriram cuidado, diziam que era um biscate que não ia dar em nada, mas lá iam ajudando. Em termos sociais mais alargados, no espaço de seis meses, pessoas que sempre me tinham chamado de Lúcia passaram-me a confundir com a marca e a chamar de GUIDA.

O que é podemos encontrar na GUIDA?
Criatividade, personalização, leitura de estilo. Acima de tudo queremos proporcionar eventos que sejam a personalidade dos noivos, e que lhes seja motivo de alegrias. Queremos fazer o que gostamos se possível de forma a que interfira o mínimo possível com a nossa qualidade de vida familiar e social (ás vezes é muito difícil). Sabemos ler os noivos desde que eles permitam e confiem o suficiente para isso, quando há empatia acaba por ser um trabalho de equipa, mais do que um serviço contratado, e não raras vezes fazemos amigos para vida.






O que sentiste quando organizaste o teu primeiro evento?
O primeiro evento já nem me lembro, foi muito antes dos casamentos. Enquanto GUIDA, o primeiro casamento é inesquecível ...Emocionalmente senti-me muito feliz, mas questionei tudo, ainda o faço e farei, sou muito crítica e exigente com o que faço. E descobri um cansaço físico que desconhecia até então. É muito duro.

Passados cerca de quatro anos continuas a emocionar-te com os eventos que preparas?
Sim muito! Sinto todas as palavras ditas com sinceridade e emoção, vibro com cada detalhe, e no final quando vejo o dia em fotografias e vídeo, sinto que fiz parte daquela história, que eu e a equipa GUIDA somos responsáveis pela coerência entre a festa e os noivos, sentimos orgulho.

Já tiveste pedidos estranhos de concretizar?
Já... Mas não os vou contar, são estranhos.

Qual o evento que recordas com mais carinho? Se é que é possível falar apenas de um.
Todos os casamentos em que fazemos para além da decoração, o acompanhamento do dia, são especiais. Por mais que se queira ser profissional, não somos imunes às emoções. E é impossível não recordar os abraços que recebi das noivas, ou palavras sentidas de agradecimento por pais, caras de surpresa na descoberta dos detalhes...Impagável.

O que tem sido mais difícil de gerir nesta nova etapa, enquanto gestora do próprio negócio?
Este ano tem sido particularmente difícil gerir a procura. Temos mais procura do que datas disponíveis, o que faz com que tenhamos de criar procedimentos de atendimento e redefinir estratégias de resposta. Encontrar soluções para gestão do tempo, é tão difícil combinar num mesmo tempo a confiança dos clientes, os objetivos de Marketing, produzir, o fazer, levar e trazer... o dia é pequeno demais!É algo que ainda estamos a viver e a refletir sobre isso, não queremos perder qualidade mas também queremos agarrar novas oportunidades. É difícil dizer Não, mas o crescimento tem de ser sustentado.






 Com o teu projecto sentes que inspiras as pessoas à tua volta?
Sim. Sinto que inspiro quem acompanha o projeto desde início, que o viu pequenino e tosco e o sente também como seu. Inspiro noivas, sei porque me escrevem e o dizem... É engraçado ouvir, em contextos sociais que me desconhecem, coisas como "O meu casamento tem de ser estilo GUIDA...", tenho a noção que do pouco inicial, ou da muita expectativa pessoal, fiz uma marca com valor, e hoje maior do que a minha pessoa.

Nos próximos tempos, que surpresas a GUIDA irá preparar?
Para além do crescimento da equipa, temos objetivos estruturais, que são surpresa! Temos uma estratégia definida que passa pela partilha do que vamos sabendo e dominando com quem nos segue, temos também objetivo de fazer parte da marca Viseu ou região Dão enquanto Destination Wedding. O turismo de casamentos é real, a procura por parte de noivos estrangeiros tem-nos acontecido, tem impacto local e queremos fazer cada vez mais parte dele.

Onde imaginas estar com a GUIDA daqui a 10 anos?
Imagino estar mais tranquila, mais despegada. A confiar na equipa que fará dela independente de mim e eu mais centrada nas coisas da GUIDA que me fazem feliz.


Podem conhecer o trabalho da GUIDA Design Eventos aqui.
As fotografias foram registadas durante o Workshop de Bouquet, realizado no dia 30 de Abril.



Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

1 A partilhar sensações:

Margarida disse...

Parabéns ao Reservatório de Sensações, pela rubrica.
O mundo precisa de audazes. Parabéns também por isso, à Guida!