28 anos e um discurso um pouquinho mais extenso

Partilha a tua sensação

Os 28 anos chegaram de mansinho quase sem dar por eles. As rotinas atribuladas, as exigências, as provações, as tarefas meticulosas dos últimos anos deixaram-me parada no tempo, no que toca à percepção da idade e de como ela avança depressa. Nunca desejei crescer depressa. Na verdade, nunca vivi aqueles dramas de falsear a minha idade na adolescência porque queria parecer mais velha. Não nunca senti essa necessidade. Sempre achei que nessa fase, a idade avançava ao ritmo normal, ao ritmo expectável. Agora, confesso, sinto que o tempo seja ele de natureza for, corre, voa, modificando tudo e todos. Mas também isso deve ser o normal.

Ontem, dia do meu aniversário, entre mensagens de parabenização e miminhos caseiros, a minha mente retrocedeu à época universitária, àquele momento em que tudo é possível, em que aquele era o primeiro dia do resto das nossas vidas. Confesso que senti alguma nostalgia, as recordar pessoas que me foram muito queridas e com quem partilhei o meu maior tesouro: os sonhos que naquela altura comandavam a minha vida, os meus passos, as minhas aspirações. Sonhos esses que ficaram para trás, que se esbateram, diluíram, modificaram ou perderam-se.

Não pensem que celebrem 28 anos em modo depressivo. Julgo ser normal e aceitável que algumas datas nos obriguem a reflexões mais profundas e a alguns exercícios de introspecção, como os aniversários.

Desde que terminei a universidade, até esta data em que me encontro desempregada, à procura de um novo rumo, muita coisa ficou para trás, é certo, mas ganhei muito. Se os meus avós acedessem à net e lessem este meu post, diriam “Para frente é que é caminho”. Eu cresci a ouvir esta frase e defendo-a com unhas e dentes. Para a frente é que é caminho. Apesar de alguns sonhos não se concretizarem de todo, as linhas tortas trazem sempre muitas aventuras, muitos docinhos e descobertas inimagináveis.

Nos últimos anos, deixei para trás o sonho de ser jornalista (não quer dizer que não o volte a ser, mas como eu o imaginava não será de certeza), deixei para trás o sonho de uma vida devotada à carreira (não combina muito comigo), deixei para trás um blog repleto de introspecções, textos jornalísticos e coisas afins, deixei para trás a possibilidade de dar a volta ao mundo (há sítios muito frios neste mundo). Mas ganhei uma irmã, um príncipe encantado, uma família unida (como sempre esteve) e um blog repleto de partilhas de inspirações,  incursões mais ou menos felizes no mundo da gastronomia, descobertas de jardinagem e de horticultura.

Talvez isto soe a conversa de circunstância. Fiz anos ontem, portanto permitam-me este discurso alongado.

Para a frente é que é caminho. E é tão bom caminhar ao lado de pessoas maravilhosas. Sou uma felizarda. Até posso olhar para os problemas todos, mas só de pensar nas pessoas fantásticas que já conheci e que me deram tanto das suas histórias, das suas vivências e até dos seus conhecimentos. Epa…desculpem-me mas isto está semi-ganho. Sim…semi…porque eu quero mais. Quero livrar-me deste rotulo de desempregada, quero novas descobertas, quero aventuras (com risco calculado entenda-se) quero ter a capacidade de produzir alguns dos meus alimentos e tornar me uma jovem agricultora, quero aprender e aprender a ser uma top chef de trazer por casa, quero mais histórias, quero mais vivências, quero continuar com sorrisos estúpidos cada vez que vir o nascer do sol, quero sorrisos ainda mais estúpidos estampados no rosto a cada por do sol, quero continuar apaixonada, quero continuar a petar com a minha irmã (é para isso que as irmãs mais velhas servem, certo), quero saber ter sempre a humildade de agradecer a todas as pessoas que me tornam numa rica pessoa.


Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

0 A partilhar sensações: