Três praias fluviais muito especiais

Uma partilha
Se por um lado é inevitável associar as imagens de praias de areia dourada e mar às férias de Verão, por outro lado cá por casa gostamos de aproveitar a pausa estival para conhecer o interior que tanto adoramos. Deixamo-nos encantar pelos pinhais verdes que alternam com o amarelo dourado dos campos agrícolas em descanso. Deixamo-nos embalar pelas curvas das estradas nacionais, pelas noites estreladas com banda sonora das cigarras. Deixamo-nos enfeitiçar pelas histórias ricas de quem conhece as regiões, os mitos e as lendas. E neste interior que tanto amamos existe outro tipo de praias, as de água doce, repletas de rochedos e de águas límpidas que enregelam os ossos mas retemperam a alma. Ainda andamos à descoberta, porém felizmente cá em casa temos sido brindados com revelações fantásticas neste campo. Agradam-me as praias que oferecem qualidade e apoio aos banhistas mas que ao mesmo tempo conseguem manter quase intacta a sua imagem natural. Para já, estes são os três sítios que me inspiraram a umas braçadas memoráveis.

Praia Fluvial de Loriga


Subindo a Serra da Estrela, desde a cidade de Seia em direção à aldeia de Loriga, encontramos este pequeno tesouro do Parque Natural. Rodeada de vegetação e de imponentes rochedos graníticos, esta praia oferece uma verdadeira piscina de água cristalina, uma espécie de varanda suspensa nas alturas com vista privilegiada para os relevos intensos da serra. Apesar de alguma intervenção humana para garantir condições de segurança, esta é uma praia que mantém as suas características naturais. A água gélida pode assustar os mais friorentos, mas acreditem depois de habituar o corpo, vale bem cada mergulho, cada braçada. Talvez tenham a sorte de estarem a nadar e ver os pastores a passarem com os seus rebanhos. Uma imagem tão rara para quem mora na cidade. Para quem gosta de aliar os mergulhos às caminhadas pedestres, este sítio é o indicado, pois são várias as rotas na região. De salientar também, a vigilância da praia, o bar de apoio e as casas de banho. Algo bastante importante, uma vez que a aldeia de Loriga ainda fica afastada alguns quilómetros desta praia.













Praia Fluvial do Piódão


Chegar à aldeia do Piódão é uma verdadeira aventura. As estradas sinuosas e estreias, edificadas em escarpas altíssimas, não deixam ninguém indiferente. Foram várias as vezes que estremeci ao cruzar-me com carros que seguiam no sentido oposto. Pensei sempre, como vão caber aqui dois carros? A verdade é que, apesar da desafiante paisagem, há espaço mais que suficiente para uma condução segura. Para além da adrenalina ao volante, a primeira imagem da aldeia não desiludo. As casas de xisto empoleiradas serra acima cativam o olhar e inspiram a caminhadas, a conversas com os habitantes locais e a provar os petiscos da terra. Como a última visita ocorreu em pleno mês de Agosto, acabei por experimentar a Praia Fluvial da aldeia. Vestimos os fatos-de-banho respetivos,  de forma indiscreta dentro do carro e refrescámos o corpo naquelas que considero as águas mais frias em que alguma vez meti o meu corpinho. Os meus pulmões recusaram-se a respirar, o coração acelerou de forma desenfreada e o meu corpo tornou-se leve muito leve. Quase que parece a descrição de uma hipotermia, mas foi mesmo isto que senti durante alguns minutos, até conseguir habituar o corpo àquela temperatura. Esta praia, também de águas cristalinas que provém de nascentes no cimo da serra, assemelha-se a uma piscina de jardim, nota-se que é um espaço mais intervencionado. No entanto, tendo em conta que  foi construído recorrendo aos materiais característicos da aldeia, mais a envolvência natural que foi mantida, este espaço parece bastante bem enquadrado. Apesar de improvisada, o primeiro mergulho nesta praia foi muito especial. Uma vez que a maior parte dos turistas se concentram no centro da aldeia ou na Praia Fluvial de Foz D'Égua (local muito próximo do Piódão), este foi um mergulho apenas a dois, sem mais ninguém nas redondezas. Foi uma descoberta verdadeiramente romântica.



Paia Fluvial de Folgosa






É a única praia fluvial do concelho de Castro Daire. Pelo menos foi essa a informação que me disponibilizaram. E acreditem, este concelho do interior não necessita de mais nenhuma. A Praia Fluvial de Folgosa conquistou-me à primeira vista. Situada às portas da cidade de Castro Daire, este é ainda um sítio bastante isolado, encaixado num vale onde impera o silêncio que apenas é quebrado pelos veraneantes. O Rio Paiva, um dos mais limpos da Europa, flui livremente pelas margens, repleto de peixes, que nos tentam "beijar" os pés. É possível passear pelas suas margens e ouvir o som da água a correr, vislumbrar pequenas quedas de água, sempre imbuídos de uma serenidade genuína. Tirando um pequeno pontão em cimento, criado pelo ser humano, que permite uma represa em jeito de piscina fluvial, tudo o resto é completamente natural. Para os que preferem não se aventurar, o leito tem uma extensão enorme onde é possível "ter pé". Zona completamente indicada para as crianças e para os pais que queiram passar um dia sossegados. Mas para os mais aventureiros, esta praia também se adequa. Basta dar umas braçadas mais longas e subir o rio, fugir aos restantes turistas e encontrar um local ainda mais sossegado, mais secreto. Pode ser um rochedo no meio do rio a servir de ilha ou outras represas que vão aparecendo no caminho. Também os barcos de borracha permitem explorar melhor estas margens tão ricas. De salientar, que apesar do isolamento, os veraneantes encontram aqui infraestruturas de apoio como casas-de-banho e um bar onde é possível alugar espreguiçadeiras.



Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

1 A partilhar sensações:

Love Magenta disse...

Adorei! Obrigado pela partilha!

Beijinhos!;)