Pão de Batata (e uma inspiração da lua-de-mel)

Partilha a tua sensação
Conheci-a durante a minha lua-de-mel. Ou melhor, não a conheci pessoalmente, descobria enquanto passeava pelas ruas de Dublin e me apercebi que a sua cara povoava diversas livrarias e quiosques. Chamou-me à atenção o seu avental em tartan verde azulado e o seu jeito descontraído emoldurado por um verde intenso natural. Eu tinha prometido a mim mesma que tão cedo não adquiria livros de culinária. A pilha de obras afectas a temas gastronómicos vai aumentando, a cada mês. E para quem mora numa caixa de fósforos, torna-se difícil gerir o espaço bibliotecário. Claro que na Lua-de-mel este objectivo iria se manter. Até porque quem é que na lua-de-mel está a pensar na sua cozinha e em receitas? Aparentemente eu estava e não consegui resistir.

 A curiosidade foi maior que a racionalização do espaço ou do romantismo do momento. Portanto, enquanto a cara metade procurava literatura fantástica, eu dei por mim a descobrir Imen McDonnell, uma cidadã citadina americana, habituada ao rebuliço dos bastidores das produções televisivas, cinematográficas e publicitárias que se apaixona por um agricultor irlandês e decide abandonar os ares urbanos de Nova Iorque e Los  Angeles, para descobrir o rural irlandês. Apaixonei-me imediatamente por esta história de amor. Revi-me na situação inversa, campónia apaixona-se por homem citadino e abandona o campo para viver a sua grande história de amor. Bem, a minha talvez não tenha um oceano lá pelo meio, não tenha nacionalidades diferentes e contextos sócio-culturais diferentes. Mas não pensem que é uma história menor, é minha e é quanto baste.


Brincadeiras, à parte, numa altura que eu sinto a urgência de regressar às minha origens que são o campo, confesso que me deixei levar pelas imagens encantadoras do livro. São muito simples, muito naturais, mas que revelam uma paixão enorme, um respeito firme pelos cenários rurais que a autora actualmente vive. Além disso, os títulos das receitas eram bem sugestivos. A maior parte lembrava-me a comida de conforto, daquele que eu gosto de me rodear durante todo o ano, para acalentar a alma e relembrar a comida da avó (que ainda hoje degusto, mas com menos frequência). Imediatamente pensei no que iria retirar da mala e deixar na Irlanda para não exceder o peso permitido pela companhia aérea. Tal não foi permitido, mas eu não descansei, até ter um exemplar e só vos posso dizer que valeu bem a espera.

Panquecas irlandesas, queijo fresco, scones, iogurtes, manteiga caseira, pizza de batata, tarte de buttermilk, tarte de cordeiro são algumas das receitas maravilhosas que se pode encontrar no livro e que me fazem imaginar a viver numa quinta com uma grande família para alimentar.











A receita que mais me chamou à atenção foi a de Pão de Batata, algo em que nunca tinha ouvido falar. Experimentei a receita, com algumas variações (esta não é a receita original do livro), e só vos posso dizer que este pão é simplesmente divinal.

PÃO DE BATATA

300gr de puré de batata
2 ovos ligeiramente batidos
100gr de manteiga
80gr de açúcar refinado
1 colher de chá de sal
7gr ed fermento de padeiro em pó
100ml de água morna
500gr de farinha de trigo

Numa tigela grande, misturamos o puré de batata (à temperatura ambiente) com os ovos e a manteiga. Mexemos. Acrescentamos o açúcar, o sal, o fermento e a água morna. Peneiramos a farinha para dentro da tigela. Unimos os ingredientes com uma colher de pau. Numa superfície enfarinhada, amassamos durante 10 minutos até que a massa se torne mais elástica. Untamos uma tigela com azeite e colocamos nela a massa obtida. Tapamos com um pano húmido e deixamos levedar, em espaço não muito frio, durante duas horas ou até a massa dobrar de tamanho. Depois de levedar, sovamos a massa durante 10 minutos para lhe retirar algumas bolhas que se formam na massa. Dividimos a massa em dois pedaços, que devemos colocar em duas formas previamente untadas com azeite. Levamos a massa ao forno, previamente aquecido a 190Cº, durante cerca de quarenta minutos. Acompanha bem com manteiga e compota caseira.



Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

0 A partilhar sensações: