Madalenas da minha infância

Partilha a tua sensação
Em casa dos meus avós maternos, as madalenas marcavam presença em lanches e festividades. Nunca podiam faltar. Embora não fossem confeccionadas em casa, lembro-me que na altura as madalenas compradas pela Avó eram sempre especiais, com um sabor caseiro. É claro que a nossa mente, motivada pela saudade e nostalgia, pode pregar-nos partidas. Mas ainda hoje acredito que aquelas eram as melhores madalenas de sempre. E como nunca encontrei sabor parecido, decidi que para o aniversário dos meus trinta anos teria de deitar "mãos à massa". A primeira dificuldade, encontrar uma forma tradicional em formato de concha. Depois de percorrer todas as lojas modernas ou antigas que me era permitido, a forma teve de voar de Inglaterra para Portugal. A segunda dificuldade, acertar na receita. Partilho convosco o mais aproximado que consegui do sabor da minha infância. A imagem não é das melhores, mas a receita merece ser provada.

Ingredientes
75gr de manteiga
2 colheres de sopa de mel
raspa de uma tangerina
2 ovos grandes
100gr de açúcar branco
100gr de farinha de trigo autolevedante
1/2 colher de chá de fermento em pó

Colocamos a manteiga, o mel e a raspa de tangerina numa caçarola e levamos ao lume, o mais brando possível. Tiramos a caçarola do lume e deixamos a mistura arrefecer, ficando de infusão durante 10 minutos. Juntamos os ovos e o açúcar numa tigela e batemos até obter uma pasta esbranquiçada e com a consistência de uma mousse. Aquecemos previamente o forno à temperaura de 180ºC. Peneiramos a farinha para dentro de um tigela e adicionamos o fermento em pó. Acrescentamos a mistura da manteiga e do mel com a farinha e com os ovos. Com uma colher de metal grande envolvemos rapidamente, mas com suavidade. Enchemos as concavidades do tabuleiro previamente untado. Levamos ao forno pré-aquecido durante 8 a 10 minutos ou até os bolos terem crescidos e alourado. Deixamos que as madalenas arrefeçam no tabuleiro durante cerca de 2 minutos antes de os desenformar. Lavamos o tabuleiro e voltamos a untá-lo antes de cozer a fornada seguinte.
Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

0 A partilhar sensações: