Jardim Aromático I

Uma partilha

Uma crise de dores lombares atirou-me nesta última semana para a cama. Já há dois anos que não passava por semelhante situação. Talvez seja velhice precoce ou simplesmente o facto de ter retomado o exercício físico de uma forma, vá, um pouco “violenta”. Uma pessoa está parada durante anos e depois quer ver logo resultados. Agora terei de aguentar as injecções que me foram prescritas, mas nada que me deixe piegas. Com todas estas sensações dolorosas, nem tenho tido oportunidade de actualizar este meu Reservatório. E há tanto para dizer. Por isso, vou ver se retomo a escrita virtual e dou resposta a todos os emails pendentes.

Antes desta malfadada crise ter aparecido, o jardim Aromático ficou finalmente pronto. O resultado deixou-me bastante contente e orgulhosa. E, acreditem, não fui só eu. Consegui juntar à volta deste projecto toda a família. Tive uma grande ajuda dos pais, que se empenharam ao máximo na construção desta pequena caixinha. Apresentaram ideias e acima de tudo ajudaram-me a concretizar esta minha vontade. Foi um bocadinho difícil semear as ervas aromáticas, porque o canídeo cá de casa tem uma fixação por estragar tudo o que semeamos, quer seja na horta, quer seja no jardim. Também por isso, o pai teve de acrescentar uns pés altos a toda a estrutura, de modo a que seja um jardim suspenso, ao qual o Bolt não consegue deitar as patas. A terra que utilizei (fofa e solta) foi escolhida pela mãe, que tem olho para esta matéria. Logo aqui poupei bastante dinheiro. Já as sementes, metade foram escolhidas pelo namorado, metade foram escolhidas por mim. Falando assim, até parece que utilizei uma quantidade exorbitante de ervas aromáticas, mas não foi isso que aconteceu. Como a caixa é de dimensões reduzidas apenas semeei quatro géneros diferentes: Cebolinho, coentros (escolhidos por mim), segurelha e cidreira (escolhidas pelo namorado). Espero que tenham sido boas escolhas e que este tipo de ervas consiga conviver no mesmo espaço. Tenho seguido algumas indicações do Borda d’Água e até ver semeei tudo na hora mais ou menos certa. A única coisa que continua em falta é a elaboração de umas etiquetas catitas para colocar a identificar devidamente cada erva. Mas isso fica lá mais para a frente.

























Cebolinho - Planta aromática da mesma família do alho e da cebola, embora com um sabor mais subtil e discreto. É um excelente aromatizante de sopas, saladas, queijo fresco, batatas assadas e pratos feitos à base de ovos. Ajuda às digestões, aos problemas das vias respiratórias. Funciona como repelente de insectos.

Coentros - Erva aromática forte. Muito utilizada na gastronomia alentejana, imprime um sabor exótico aos cozinhados e liga bem com açordas, caldeiradas, peixe, carne assada, molhos e saladas. Os coentros são antissépticos, antiespasmódicos, estimulanes e cicatrizantes.

Segurelha - As folhas são utilizadas como condimento desde a Antiguidade para grelhados, molhos e legumes. Como planta medicinal funciona como agente antisséptico, digestivo e expectorante.

Cidreira - É uma planta muito utilizada na medicina tradicional, como erva aromática e em aromaterapia. É utilizada como antiespasmódica, antinevrálgica e como calmante.
Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

1 A partilhar sensações:

sofia disse...

Bela ideia:)

Www.levedar.com