Maria - A Santa

Partilha a tua sensação
Guardei-a na minha memória há já …..digamos… há muito tempo. Não sei precisar datas. Não sei a quantas ando, nem sei se a minha efémera e instável razão me permite recordar com exactidão aquele momento.
Sei que a guardei…não num canto escuro, bolorento onde, por hábito de escape, esquecemos as recordações pestilentas e incomodativas. Guardei-a com carinho.
Ela é, e sempre será, simplesmente Maria. Não é a virgem imaculada, mas talvez partilhe com ela trejeitos de Santa. Maria “aparece” todos os santos dias (e mesmo os que são tecidos pelo Diabo) sobre os montes da Serra de São Macário, planando na leveza de quem vive o dia-a-dia, com a certeza de que amanhã haverá outro dia iguala tantos outros. A rectidão da sua coluna, oculta os 80 anos que pesam sobre as pernas cansadas da pastora. O seu corpo é uma contradição de vontades. Mas mesmo sendo velha, Maria sabe que a genica invulgar que transporta nos seus afazeres é lhe comandada pela alma. Encosta acima, encosta abaixo. Maria viaja ao longo dos 10 quilómetros que sempre conheceu e que sempre foram o seu mundo. Encostas escarpadas, montes ventosos, serras escaldantes, centenas de ovelhas para comandar. É onde ela se sente em Paz. É ali o seu Paraíso. E nem lhe falem em viajar. É santa num mundo pequeno, restrito, fechado na solidão de rochas graníticas impenetráveis e isolado na ignorância dos que desprezam o Portugal interior.
Maria não se distrai dos seus afazeres, Maria não conversa…Nem sequer quando os turistas a chamam para um retrato pitoresco. Maria é também ela um lugar cerrado. Desde que lhe morreu o marido, aí para dez anos, que não profere palavra, interjeição ou demais sons queixosos que apenas os olhos transparecem. Todo um luto a envolve.
Os mais velhos da aldeia dizem que Maria endoideceu, que foi tomada pelo Diabo que habita nos caminhos sinuosos que só ela conhece, que só ela descobre. Maria é uma santa triste, que vive o fardo da saudade, do amor que “apenas durou trinta anos” - terá ela dito no dia do funeral, no dia em que as cordas vocais se romperam, as lágrimas secaram e o luto mecânico apareceu….

[Isto era suposto chegar a algum lado ....mas perdi-me nos entretantos :( ]
Próximo publicaçãoMensagem mais recente Publicação anteriorMensagem antiga Página inicial

0 A partilhar sensações: